“A Osteopatia é uma profissão de cuidados de saúde primários, que se foca no diagnóstico, tratamento, prevenção e reabilitação de transtornos músculo-esqueléticos e suas repercussões no estado de saúde geral do paciente” – General Osteopathic Council.

O que é a Osteopatia?

É uma medicina não convencional, que usa técnicas manuais para diagnosticar e tratar uma grande variedade de problemas de saúde, principalmente na coluna vertebral.

PRINCÍPIOS DA OSTEOPATIA

O corpo é um todo

… e não apenas uma soma das partes que o constituem.

• Funciona como uma unidade na qual todas as partes estão interligadas dependendo umas das outras e influenciando-se mutuamente.

A estrutura governa a função

• Uma estrutura normal é essencial para uma função normal.

• Uma função normal é igualmente essencial para que a estrutura se mantenha normal.

O corpo é a farmácia de Deus

• O corpo é uma máquina homeostática

• Sendo Deus o engenheiro chefe por detrás da criação da máquina que é o corpo humano, este contém todos os meios necessários para a cura.

• O osteopata é o mecânico que se encarrega de fazer com que todas as partes dessa máquina estejam em harmonia para poder desempenhar o seu papel.

A regra da artéria (e dos fluídos corporais)

• O sangue é o tecido mais importante do corpo, sem ele a vida não é possível.

• É através do sangue que os tecidos são nutridos e igualmente são removidos os produtos do seu metabolismo.

• O equilíbrio hídrico do corpo deve a sua manutenção ao sistema circulatório e ao sistema linfático

A doença

• A doença não é mais do que o resultado de alterações á normalidade anatómica seguida de uma discordância fisiológica.

• Para curar a doença a normalidade tem de ser reposta.

A Osteopatia pode oferecer uma mais-valia, na medida que o seu objectivo na população é implementar a prevenção e o retardamento das degenerações osteomusculares de origem mecânica, dar melhor mobilidade articular e eliminar as dores articulares. Refira-se que as técnicas Osteopáticas não têm efeitos secundários, são bastantes eficazes e mais económicas. Estas técnicas osteopáticas são importantes para o equilíbrio postural e minimizam os sintomas dolorosos do corpo humano, tais como:

– dores da coluna vertebral (torcicolos, cervicalgias, dorsalgias, lombalgias, desequilíbrios da bacia, hérnias discais, etc.);

– dores do membro superior (nevralgias, cervicobraquialgias, periartrites escapulo-umerais, parestesias, cotovelo de tenista, lesões por esforços repetitivos);

– dores do membro inferior (ciáticas, cruralgias, tendinites, entorse, etc.).

O tratamento osteopático, diferente de qualquer outra terapia, é menos agressivo e melhor tolerado visando melhorar a qualidade de vida e dele decorrendo os seguintes benefícios:

– aplicação em qualquer idade;

– melhorias na postura;

– retarda os sintomas de desgaste articular;

– elimina a dor nos problemas osteomusculares de origem mecânica;

– melhora a mobilidade articular;

– estimula a força e a flexibilidade;

Como qualquer outra terapia a Osteopatia também tem contra-indicações, tais como:

– Tumores, quadros articulares agudos como artrite reumatóide;

– Lúpus, espondilite anquilosante, artropatias traumáticas recentes, anquilose;

– Insuficiências circulatórias localizadas, síndroma vertebro-basilar, hérnia discal extrusada e estados infecciosos.

Estudos demonstram que a Osteopatia, embora não seja a solução para todas as doenças, é uma importante terapia para os problemas osteomusculares com um efeito muito significativo, no benefício à população em geral e à idosa em particular, como uma manutenção de saúde e bem-estar, de modo a manterem a sua dignidade e contribuir para um envelhecimento activo, com autonomia e independência.